Na Associação temos recriadores que encarnam principalmente estas duas Ordens Religiosas:

Benedictinos

bene  A Ordem de São Bento é igualmente conhecida por Ordem Beneditina – Ordo    Sancti Benedicti, foi fundada no ano de 529 na abadia do Monte Cassino, Itália,     por São Bento de Núrsia. Esta Ordem, orientava-se pelos principios da pobreza,  castidade, obediência, oração e trabalho bem como de acolher nos seus        mosteiros os peregrinos e dar assistência aos pobres. Outra das missões desta  Ordem era a de promover a educação e o ensino – junto dos mosteiros surgia  quase sempre uma escola, e procuraram reunir em bibliotecas as obras e  ensinamentos da Antiguidade.

 Uma das particularidades mais evidentes dos Benedictinos è a existência de  mosteiros masculinos e femininos – até então as mulheres estavam afastadas do  clero!

 As normas e regras dos Benedictinos têm inspirado outros fundadores de ordens  religiosas que seguem o seu principio fundamental de Ora et labora – “Reza e  trabalha”!

 Seguindo o exemplo de São Bento, os Benedictinos seguem o ritmo imposto pela  Liturgia das Horas, rezando sete vezes ao dia, e trabalhando principalmente em  tarefas agrícolas!

 

 

 

Franciscanos

 

A Ordem dos Franciscanos ou Ordem dos Frades Menores (Ordo Fratrum Minorum, em latim), teve a sua origem com S. Francisco de Assis, em Itália em 1209. Os Franciscanos não são monges mas sim religiosos e realizavam voto de pobreza, castidade e obediência. O seu hábito castanho foi baseado nas vestes humildes dos camponeses de então e era cingido com um cordão branco com 3 nós em representação dos 3 conselhos evangélicos.
Os seus membros, de acordo com o espírito do fundador, nada deviam possuir, estando obrigados a viver da forma mais simples e pobre possível, dando exemplos de humildade e devoção e em pregação pelos povos. Aceitavam todo o tipo de trabalhos humildes em troca de comida.
A recriação histórica da ordem dos franciscanos pretende contribuir para o reavivar de uma parte importante da vida quotidiana da Idade Média, a ligação do Homem comum com a esfera do mundo religioso, já que a Igreja tinha um papel importantíssimo no quotidiano medieval, desde a estipulação do calendário religioso, à regulação das horas do dia, ao cuidado com os doentes e peregrinos, entre muitas outras situações.